domingo, 8 de janeiro de 2012

SwordQuest


Sim, meus amigos, mais um ano começou. Não importa se você realmente acredita que o mundo vai acabar dia 21 de dezembro, 2012 promete ser um ano épico em vários aspectos, como no cinema e nos games. Então devemos começar os trabalhos aqui no blog de forma igualmente épica.

Em 1982, a Atari era a líder suprema na industria dos games, praticamente monopolizando o mercado enquanto não creditava seus empregados devidamente. Seu console, o Atari 2600, era sucesso absoluto em todo o mundo, e a empresa parecia não parar de crescer.

No auge de sua história, ela lançou um concurso. Uma competição épica por prêmios valiosos, que mexeu com a mente de jogadores por todo o mundo (ela se centrou praticamente só nos EUA, mas não queria diminuir o momento). Uma épica jornada através de uma série de quatro jogos.

Essa busca se tornou conhecida por Swordquest.


Swordquest é uma série de quatro jogos lançada pela Atari. Cada um é diferente do outro, mas todos eles foram uma das primeiras tentativas de se unir aspectos de jogos de ação e aventura no mesmo jogo. Porém, não era uma série de jogos comum.

Swordquest se tornou uma verdadeira caçada ao tesouro. Uma mega-competição onde qualquer jogador possuía uma chance de ganhar, com prêmios no valor de 150 mil doláres.

Não, você não está dorgado. Uma empresa de videogame nos anos 80 lançou um concurso com prêmios valendo 150 mil doláres!! Só de escrever isso me arrepiei todo. Eis os prêmios: um talismã de ouro sólido incrustado com diversas pedras preciosas e uma espada de ouro branco, uma taça de ouro e platina incrustado com várias pedras preciosas, uma coroa de ouro incrustada com pedras preciosas e uma caixa de ouro maciço incrustado de pedras preciosas guardando um pedaço de jade branco.

E não é só isso. Os jogos estavam ligados a esses prêmios, mas no fim de tudo isso os quatro vencedores competiriam uma última vez pelo prêmio máximo: uma espada de cabo de ouro maciço e pedras preciosas com uma lâmina de prata pura.

Já deu pra imaginar como a coisa ficou séria na época. Mas vamos nos focar nos jogos por enquanto.

Cada jogo vinha com um gibi da DC Comics explicando a história, mas ele também era parte essencial do concurso, pois a chave para se dar bem no jogo estava escondido em suas páginas. Ela continha um quebra-cabeça que daria ao jogador a chance de se avançar na competição.

Swordquest conta a história dos gêmeos Tarra e Torr, que tiveram os pais mortos por ordem do Rei Tyrannus devido a uma profecia do feiticeiro real Konjuro. Eles acabaram sendo criados como ladrões para despistar as forças do rei, mas acabaram se encontrando com Konjuro, que os perseguiu e os mandou para o Earthworld.

Cada jogo se passa em um reino místico diferente, que dão nomes aos jogos da série: Earthworld, Fireworld, Waterworld e Airworld. Os jogos e gibis narram as desventuras nos irmãos nesses mundos na busca pela Espada de Suprema Feitiçaria, que poderia derrotar ambos Konjuro e Rei Tyrannus. Pena que nunca soubemos o final dessa história...

Estou me adiantando. Explicarei melhor na hora certa.


O jogo possuía alguns dos gráficos mais avançados da época, além dos clássicos efeitos sonoros típicos do 2600. Cada jogo está relacionado ao seu respectivo elemento, além de possuir uma estrutura relacionada a algo relacionado á mitologia: Earthworld é baseado no Zodíaco, Fireworld, na Árvore da Vida do Cabala, Waterworld, nos sete centros do Chakra, e Airworld seria baseado no I Ching.

Com isso, cada jogo possuía uma estrutura única, com desafios únicos, o que garantia tanto variedade quanto desafio para os jogadores que queriam vencer, mesmo que tenham a mesma jogabilidade básica, que misturava a lógica e a narrativa dos jogos de aventura com a eletrizante ação dos jogos de ação dos arcades.

Cada jogo se resumia a coletar e deixar itens. Baseado em cada uma das estruturas que eu já citei, você percorria as salas coletando e deixando itens. Se os itens certos, fossem deixados na sala certa, uma pista aparecia na tela, e é aí que entra o gibi.

A pista nada mais é do que uma página do gibi e um dos quadrinhos, como uma coordenada. E no ponto dessa coordenada, havia uma palavra escondida no quadrinho. Você ia jogando, achando as pistas e palavras escondidas. No fim, você tinha que montar uma frase com elas, mas como algumas das palavras eram pegadinhas, havia uma pista secreta na capa do gibi que te ajudava a escolher as palavras certas.

Após achar as palavras certas e montar a frase, você a enviava para a Atari. Se você acertasse, você era chamado para ir a sede da companhia e jogar com outros concorrentes numa versão customizada do jogo, cujo objetivo era descobrir todas as pistas em um intervalo de tempo. Quem descobrisse todas elas primeiro ganhava.

O vencedor de Earthworld foi Steven Bell. Das 5000 entradas no concurso, apenas oito descobriram as pistas certas e Steven ganhou a competição, ganhando assim o Talismã da Penúltima Verdade. Steven o derreteu e vendeu, mantendio somente a espada que estava incrustada nele.

O vencedor de Fireworld foi Michael Rideout. Dessa vez, mais de 50 pessoas descobriram a resposta certa. Então a Atari adicionou uma segunda etapa preliminar onde os participantes escreviam o que achavam sobre o jogo. Michael foi o vitorioso e ganhou o Cálice da Luz, que até onde se tem notícia, ainda está inteiro.

Os vencedores de Waterworld e Airworld, bem como o vencedor final não existem, pois o concurso acabou cancelado.

Era a Crise dos Videogames de 1983.


A Atari passava por grandes dificuldades financeiras. Depois que ela foi comprada, a competição acabou sendo cancelada

Waterworld chegou a ser produzido, mas foram feitas pouquíssimas cópias, o que o torna um jogo bastante raro. Mesmo assim, a competição pela Coroa da Vida nunca foi realizada. Airworld nem produzido foi, mas existem protótipos dele pela net. Seu prêmio seria a Pedra Filosofal. Por causa disso, nunca se pôde achar o ganhador da Espada da Suprema Feitiçaria.

Aposto que você estar se perguntando "Mas o que houve com esses prêmios?". Todos eles são reais, pois eles estavam em exposição durante a competição, mas nunca acharam seus verdadeiros donos.

Um dos rumores mais fortes é de que a Espada agora está nas mãos de Jack Tramiel, fundador da Commodore e comprador da empresa. Não existe nenhuma evidência que suporte isso, mas supõe-se que ele não só possui a espada mas também os outros objetos, a coroa e a caixa.

Como já disse antes nada disso foi comprovado, mas seria bem legal poder saber a verdade.


Só tenho apenas uma palavra para descrever isso: épico.

Pode não parecer tão épico assim, mas pense na situação. Games ainda não possuíam a força que tinham hoje. Eles não eram uma poderosa mídia, eram considerados brinquedos de luxo, e praticamente qualquer um podia lançar um console e criar jogos. Ver que a Atari estava disposta a elevar o nível dos games é algo incrível.

Claro, o fato do concurso nunca ter sido terminado ainda deixa algumas pessoas bravas e exigindo respostas, como por exemplo o paradeiro dos outros prêmios. Mas Swordquest ficará marcado no coração de todos aqueles que ainda buscam pela espada.

E semana que vem, vamos dar ao blog uma pegada mais rock. Meu primeiro artigo dedicado a outra pessoa vai trazer lembranças a muita gente.

Por hoje é só, pessoal!

4 comentários:

  1. Estou lendo o livro Jogador No.1, ele menciona o Swordquest e me deixou muito curioso. Fiz uma busca e vim parar aqui. Me arrepiei lendo o post. Sensacional!

    ResponderExcluir
  2. Também cheguei aqui pelo livro. Sensacional e surpreendente ele emociona os caras que viveram essa época incrível, os anos 80

    ResponderExcluir
  3. Obrigado. Ao contrário de vocês, eu acabei descobrindo essa história através do Angry Videogame Nerd, webshow que resenha jogos ruins de antigamente.

    ResponderExcluir
  4. Jogador Número 1 também me trouxe aqui. Muito bom o seu post.

    ResponderExcluir